“Freio de arrumação”

ARTIGO l

Quem nunca ouviu aquela frase, geralmente depois de tomar conhecimento de algo absurdo: “Para o mundo, que eu quero descer”. E foi assim mesmo, o que houve com o mundo, a partir da pandemia do Covid-19.

A Federação das CDLs do Estado do Rio de Janeiro é uma entidade que representa milhares de lojistas, que geram outras centenas de milhares de empregos nas cidades fluminenses. Atrás desses números, há famílias, trabalhadores, empreendedores, histórias de vida.

Todos sofrem com uma das crises mais complexas da história global, envolvendo componentes de saúde pública, sociais e econômicos.  O Covid-19 misturou tudo, talvez, como quem mostre que as preocupações devem ser só uma mesmo: cuidar de pessoas.

A ameaça da pandemia parou tudo, abruptamente, como um freio de arrumação – outra frase que cansamos de ouvir. E é isso: o instante agora é de arrumar, colocar em ordem as coisas, com paciência, determinação e constância.

Por isso, a Federação das CDLs do Estado do Rio, junto com outras instituições, como a Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas, a nossa CNDL, está lutando em diferentes esferas para gerar propostas que preservem a vida, mas também a ordem social e o equilíbrio econômico.

Estamos acompanhando de perto, no Rio, as medidas do Governo Estadual, e no Brasil, em nível macro, as intervenções do Governo Federal – este, por seu peso e tamanho, com maior capacidade de arrasto e de interpor avanços, conquistas.

As ações coordenadas por União, Estados e Municípios, principalmente se forem integradas, podem representar alívio imediato, na forma de dilatação de prazos compromissos de fiscais e tributários, na abertura de linhas de crédito, entre outras.

O mundo parou, mas não podemos descer: é a nossa cidade, nosso Estado, nosso país, pelo qual devemos nos unir e lutar pela vida, pela sobrevivência da micro e pequena empresa, pela manutenção de empregos e do ritmo da economia.

Marcelo Mérida

Presidente da Federação das CDLS do Estado do Rio (FCDL-RJ)