A maior crise do Brasil

O momento é de reflexão. Em tempos de crises econômica, política e social, vivemos apreensivos. O que nos resta é, por meio de posições firmes, não sermos engolidos por um sistema que desconhece o valor da resiliência. No entanto, o foco no hoje não deve ser exclusivo, desta forma fica ainda mais difícil qualquer previsão de superação em relação ao futuro.

Precisamos agir e ter em mente que, quando o sentido da ética e da moral é quebrado, esfarelado e transformado em poeira, de nada adianta ser do lado A ou lado B. O que tem acontecido no Brasil, nos últimos anos, é a revelação da fragilidade de importantes atores que, na incapacidade de conduzir processos políticos com clareza, seguem em derrocada, levando os brasileiros para um buraco sem fim.

Diante das delações que colocam em risco a economia do país e, sobretudo, demonstram o enfraquecimento do governo, devemos rejeitar todo e qualquer “jeitinho brasileiro” sobre o manto de preservar a economia e exigir sérias medidas punitivas. Quem for culpado precisa pagar.

Não podemos tolerar que as consequências desses desregramentos reincidam nas costas da classe produtiva. Nós, empreendedores, trabalhadores e cidadãos brasileiros, não podemos ficar de braços cruzados enquanto podemos sucumbir nossos destinos até que a dinâmica de descrédito se recupere.

Nesse sentido, em momentos difíceis como este, que não podemos fugir à luta, e munidos do nosso espírito patriota, devemos ser Brasil. Um Brasil de raiz verde e amarelo e não um Brasil conformado, acostumado a jogar a sujeira para baixo do tapete. Mas um Brasil que todos sonhamos. O Brasil de igualdade e de oportunidades para todos os que querem. Essa construção só será possível por meio da união de esforços de todos.

 

Marcelo Mérida