Força de quem produz

Artigo l

Bem cedinho de manhã a gente acorda e vê o Brasil despertar junto também em uma atividade que nos enche de esperança.

Para muitos lojistas e comerciantes, assim começa o dia: logo nas primeiras horas da manhã, com a família reunida à mesa de café, a conversa sobre o dia que se vai ter, a leitura rápida de algumas notícias.

São milhões de brasileiros nessa rotina que contribuem para erguer o país. A gente sai e vai para o comércio, ajuda a abrir as portas, bate papo com colaboradores, começa a atender os nossos clientes, e seguimos na luta.

É o Brasil que não para, nunca, que avança pela força do trabalho, de quem acredita que se pode ir muito além das dificuldades que são geradas. É preciso mudar muito ainda, apesar dos avanços.

O comerciante enfrenta e mata mais de um leão por dia, na forma de impostos, taxas, tributos que se sobrepõe, são pesados, atrasados e ineficientes.

E mesmo assim, o comércio batalha. O Brasil gerou em outubro 70.852 empregos de carteira assinada. Só o comércio gerou cerca de 43 mil destes postos de trabalho.

Em outubro, frente a setembro, o volume de vendas no varejo completou seis meses seguidos de alta nas vendas. Na comparação a outubro do ano passado, o varejo cresceu 4,2%. E assim, o setor passou a acumular avanço de 1,6% no ano e de 1,8% em 12 meses encerrados em outubro.

Esses ainda não são números para serem celebrados, mas apontam a força de um segmento que produz riquezas, que movimenta a economia no país e que merece ser ouvido, nos Estados, nas cidades, pelos governos.

Por isso, a Confederação Nacional dos Dirigentes Lojistas (CNDL) junto com o SEBRAE desenvolveu o Políticas Públicas 4.0 (PP 4.0), para qualificar líderes do setor na interlocução institucional e governamental.

Na ponta do comércio há o povo: é quem vai às lojas, compra, faz divisas girarem, mantém e gera empregos, que dá a temperatura e a medida da economia no dia a dia das cidades.

Com o PP 4.0 o lojista aprende como colaborar com a apresentação de propostas e demandas, para diferentes esferas de governo.

Os lojistas de todo o Brasil, do Estado do Rio, querem se somar, para que mais medidas sejam geradas pelos governos nesta parceria produtiva.

O que queremos é que o encontro de opiniões gere uma ampla matriz que reative o poder de compra das famílias, que incremente a atividade produtiva e que torne o Brasil mais moderno e próspero.

 

Marcelo Mérida

Presidente da Federação das CDLS do Estado do Rio